Avaliação farmacológica do óleo essencial de Citrus limon (Burm) no sistema nervoso central: Um estudo comportamental, histológico e neuroquímico.

0

Tese Mestrado de LIDIANNE MAYRA LOPES CAMPÊLO.

Orientador: Rivelilson Mendes de Freitas. Dissertação de Mestrado.

Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas. Departamento de Bioquímica e Farmacologia, UFPI, 2011.

 

RESUMO

A família Rutaceae consiste em aproximadamente 150 gêneros e 1.600 espécies, distribuídas amplamente em regiões tropicais, subtropicais e temperadas do mundo, sendo mais abundante na América tropical, Sul da África e Austrália. No Brasil, a família é representada por aproximadamente 29 gêneros e 182 espécies, de importância medicinal, ecológica e econômica.

O Citrus é um gênero que compreende 70 espécies de subarbustos e arbustos que podem ser cultivadas ou encontradas espontaneamente na Alemanha, Espanha, México, Venezuela, Cuba, Jamaica, Equador, Norte e Nordeste do Brasil. As espécies do gênero Citrus são ricas em flavonóides, óleos voláteis, cumarinas e pectinas.

No primeiro capítulo, houve a caracterização química do óleo essencial de folhas de Citrus limon (OECL), e avaliação dos efeitos da administração aguda por via oral do óleo essencial de folhas de C. limon e, ainda, investigação dos parâmetros bioquímicos e hematológicos em camundongos Swiss machos. O tratamento não causou nenhuma morte ou toxicidade nos animais. A administração aguda em doses repetidas de óleo essencial não induziu nenhum efeito adverso na maioria dos parâmetros bioquímicos e hematológicos estudados em camundongos Swiss machos.

No segundo capítulo foram investigados os efeitos anticonvulsivantes e depressores do Sistema Nervoso Central (SNC) do óleo essencial de C. limon em modelos animais, no qual foi verificado resultados que sugerem um efeito depressor do SNC e anticonvulsivante do óleo essencial de C. limon em camundongos que precisa ser melhor investigado.

No terceiro capítulo objetivou -se investigar o efeito do óleo essencial de C. limon nos níveis de peroxidação lipídica, conteúdo de nitrito, concentração de glutationa reduzida e atividades antioxidantes das enzimas (superóxido dismutase, catalase e gluatationa peroxidase) em hipocampo de camundongos. Os resultados demonstram que o estresse oxidativo no hipocampo de camundongos pode ocorrer durante o estabelecimento de doenças neurodegenerativas, promovendo dano hipocampal e implica, ainda, que é possível conseguir efeito protetor utilizando o OECL como antioxidante.

O quarto capítulo visou investigar o potencial efeito neuroprotetor do OECL nas modificações histopatológicas observadas no hipocampo e corpo estriado de camundongos após convulsões induzidas por pilocarpina. A partir dos resultados encontrados é possível sugerir que o OECL pode modular a epileptogênese promovendo um efeito neuroprotetor no modelo investigado.

O quinto capítulo avaliou as atividades antioxidantes in vitro e antinociceptiva do óleo essencial de C.limon em camundongos. O OECL foi capaz de produzir efeito antioxidante in vitro nos três testes usados. No teste in vivo, houve uma redução significativa no número de contorções e em doses mais elevadas, reduziu o número de lambida da pata. Considerando que a naloxona antagonizou o efeito antinociceptivo do OECL, é possível sugerir, pelo menos a participação do sistema opióide, no entanto, outros estudos deverão ser realizados para entender os mecanismos de ação do OECL.

No sexto capítulo analisou se o efeito sedativo, antidepressivo e ansiolítico do OECL por meio dos testes comportamentais, sugerindo um possível efeito sedativo e ansiolítico do OECL que pode envolver os receptores benzodiazepínicos e também um efeito antidepressivo possivelmente envolvendo os sistemas noradrenérgicos e serotoninérgicos.

Arquivo completo em Tese Mestrado de Lidiane Campelo

 

Deixe uma resposta